O ESCRITÓRIO FERNANDO RAMOS ADVOCACIA INTEGRA ATUALMENTE,
O DIREITO DE EMPRESA, COM ÊNFASE NO DIREITO TRIBUTÁRIO,
PRESTANDO ASSESSORIA JURÍDICA, CONSULTIVA E CONTENCIOSA.

Determinação estadual não pode exigir cobrança de ICMS na entrada da mercadoria
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Os estados não podem requerer, mediante decreto, cobrança antecipada do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no acesso de mercadorias advindas de outros estados.

A percepção é do Supremo Tribunal Federal ao examinar recurso incomum que aborda o assunto. O julgamento ocorreu em Plenário Virtual e finalizou-se segunda-feira (17/8). A questão, de impacto geral, não foi predeterminada ainda.  

Segundo o relator, ministro Dias Toffoli, anteriormente ao acontecimento da causa geradora, não existe normatização para prazo de pagamento e, em decorrência, encargos tributários e obrigação de pagar.

Leia também: Isenção de ICMS para produtos de saúde continua sendo legal

Referindo-se a critérios da corte, o ministro disse que, apesar da Constituição permitir a definição de um prazo para pagamento mediante decreto, isso é impossível anterior ao acontecimento gerador. 

No processo de adiantamento tributário sem recolocação, declarou, se prevê o parâmetro temporal da possibilidade de ocorrência. Assim, anunciou Toffoli, é inconstitucional a regulamentação do tema por determinação do poder executivo ou a delegação genérica da lei, “sendo que na ocasião do acontecimento do fato gerador é um dos pontos de vista da norma matriz de incidência subordinada à reserva legal”. 

De acordo com o ministro, o recolhimento adiantado do imposto trata de uma simples cobrança cautelar “enquanto não existe a negociação jurídica da circulação, na qual a norma jurídica, quanto ao imposto, recai”. 

Apenas o adiantamento tributário com troca é que se subordina à reserva de lei complementar, como ordena o artigo 155, § 2º, inciso XII, alínea b, da Constituição, declarou o relator, seguido por nove ministros. 

O ministro Alexandre de Moraes foi o único a discordar, constatou que cabe à legislação tributária da localidade retificar a data limite para recolhimento do ICMS.

Também mostrou que a corte já dispôs da chance de expor sua opinião pela constitucionalidade de decretos estaduais que determinam o adiantamento do pagamento da diferenciação entre as alíquotas interestaduais e internas. O ministro Celso de Mello não participou do ajuizamento.

O início do recurso
No começo, uma negociante de chocolates reivindicou que o diferencial entre a alíquota interestadual (12%) e interna (17%) do ICMS na ocasião da entrada das mercadorias não fosse cobrado no Rio Grande do Sul. 

No Supremo, a apelação foi intermediada pelo Estado do Rio Grande do Sul contestam a deliberação do Tribunal de Justiça local, que proibiu o recolhimento. De acordo com os desembargadores gaúchos, o fisco estadual não pode impor o pagamento adiantado da diferenciação de alíquotas do imposto mediante decreto. 

Segundo o TJ, o adiantamento gera o recolhimento do tributo antes do fato ocasionador e não em estabelecer prazo ao concernente pagamento, o que fere o preceito da reserva legal em assunto tributário. O procurador do Rio Grande do Sul confirmou a validação do recolhimento e argumentou que a medida objetiva tratar igualitariamente as mercadorias que vêm de outros estados, impedindo que empresas gaúchas finalizem suas operações.

Ele disse ainda que ao contrário de conceder benefícios fiscais, o Rio Grande do Sul requer meramente o adiantamento da diferenciação de alíquotas, que não significa troca tributária, mas do recolhimento adiantado do ICMS devido, por meios normais de tributação.

Assine nosso blog